25/12/07

Esta coisa do 'feliz natal'...

...é muito relativa!, e já não me interessa continuar a bater na velha tecla do blá, blá, blá da hipócrisia inerente à época. Acabamos todos a criticar, mas...a cometer os mesmos actos e pecadilhos que nos outros criticamos: compramos prendas, oferecemos resmas de brinquedos, comemos que nem uns alarves, enfim gastamos/ consumimos como se o mundo fosse 'acabar amanhã'. Já não tenho muito pachorra para cometer a suprema hipócrisia de criticar a hipócrisia...dos outros, claro!
Não tendo sido criada nos princípios de qualquer religião, o Natal nunca foi outra coisa que não a época do ano dedicada ao consumo...do que durante o ano estava, mais ou menos, vedado. Hoje em dia - minto: desde que tive o primeiro filho! - essa época extraordinária, mesmo se apenas para o consumismo, deixou de fazer sentido uma vez que decidi 'vingar-me' não me confinando ao Natal. Resultado? Putos que pouco, ou nada, avaliam das dificuldades (não se sendo rico, existem sempre por uma razão ou outra, quanto mais não seja precisamente pela tal 'doença' do consumismo) e imaginam que o vil metal é qualquer coisa - não caida do céu porque eles já não acreditam nessas tretas - mas...que os senhores dos bancos são uns bacanos e nos recheiam os cartões porque até somos uns gajos e umas gajas porreiro(a)s; ou então que os patrões nos pagam os trocos do fim de mês porque somos muito dedicados...aos seus lucros! Acho que deve ser por estas brilhantes ideias que eles pensam que não precisam, sequer, de fazer qualquer coisa(zinha que seja) nem para os alfinetes!?! E nós é que somos os culpados!, só nós, já que desde que nascem os enchemos de tudo o que achámos ter direito e não nos foi dado.
Com sorte alguns arrepiam caminho e até se tornam em adultos razoavelmente equilibrados...

Mas que diabo!, não foi para isto que aqui vim!!!...também não era para desejar 'bom natal' a quem quer que seja, já que desejo tudo de bom aos que gosto...todos os dias! Era, talvez, para - pensando alto com os que ainda persistem na pachorra de aqui vir - relembrar os ausentes...os que desapareceram, virtual ou...realmente! Dos primeiros espero sempre que regressem...dos outros, estupidamente, sei que o nunca é real, dolorosamente real!

E, pensando e sentindo a falta que esses 'outros' me fazem, sabendo que o tempo que resta já não chega para recriar relações do mesmo tipo - a amizade, a intimidade, a confiança são 'coisas' que demoram anos, muitos anos, a compôr pelo que quanto mais avançamos na idade menos hipóteses temos para as repetir - cada vez menos me apetece festejar estas tretas natalícias...afinal, que porra é esta de ser Natal???

***...***...***
(Magritte)/"Quando abarcarmos esses mundos e o conhecimento e o prazer que encerram, estaremos finalmente fartos e satisfeitos?",WW

4 comentários:

cristina disse...

«adultos razoavelmente equilibrados...» não me parece mal! ;) Porque é que isso há-de ser eventualmente insuficiente?!

Quanto ao consumismo natalício... Sim, é inegável, mas, se não for vazio de conteúdo, não tem de ser assim tão negativo como o pintam. É claro que podemos - devemos! - pensar na família, nos amigos e em todos os outros durante o resto do ano, mas que mal é que tem se, para além disso, nos proposermos a fazê-lo umas quantas vezes com data marcada - é só uma questão de... predisposição para a coisa.

O calendário - quando bem utilizado! - não dita "regras", apenas nos ajuda a lembrar delas. ;)

Portanto, o Natal é, a modos que, uma nota na agenda ou uma lembrança no telemóvel a dizer: não esquecer! Quanto ao não esquecer de quem, de quê e de que forma já é com cada um...

BOAS FESTAS! :)

AB disse...

Vejo que na forma binária que serve de base ao sistema reflexivo, fatalmente, duas, e só duas hipóteses, se podem afrontar:
desejar "um bom natal" ou "abrir fogo" sobre o primeiro que passa. Vistas as circunstâncias não te irei contrariar de maneira nenhuma...Melhores dias virão; continuarei a aplicar ao futuro contra ventos e marés a profilaxia de uma esperança mínima, sejam quais for os riscos que isso possa acarretar para o passante distraído que sou. :-)
AB

amok_she disse...

cristina disse...

«adultos razoavelmente equilibrados...» não me parece mal! ;) Porque é que isso há-de ser eventualmente insuficiente?!»


Pois...não digo q seja insuficiente, apenas q nem sempre assim resulta.

Acho q me espanto, sempre, por ter conseguido(terei sido eu?) q os meus o sejam...razoavelmente!, e é um pouco por esse espanto, depois de tantos erros cometidos (mais com o primeiro, claro!), q me saem estas bojardas nestas alturas...

«(...)mas que mal é que tem se, para além disso, nos proposermos a fazê-lo umas quantas vezes com data marcada - é só uma questão de... predisposição para a coisa.(...)»

...o problema das datas é q eu raramente me dou com elas! Qd me apetece oferecer algo a alguém - pq gosto desse alguém e por nada mais, ou menos! - gosto de ser eu a decidir o 'quando'; e depois, tb gosto de receber prendas qd ñ estou à espera...e se o calendário lembra a alguém q eu faço anos, por ex, e me 'deve' oferecer algo, bahhhhh...no entanto e por contradição ai de quem se esqueça dos meus anos!!!

O Natal sai fora de todas estas considerações...não são as nossas pequenas hipócrisias as q mais critico (em especial as minhas!), mas as dos poderes instalados: da Igreja, das instituições - q merda de tribunal, q merda de juiz/Homem, é este q manda separar uma criança do seio da única família q conheceu para a entregar a gente estranha, por mais laços de sangue q os liguem??? - são estas tretas q depois chocam com todo este chorrilho de festas e festarolas para os desgraçadinhos, o q me tira do sério e me apetece mandar toda a Humanidade prá.....porra!, ñ era bem isto q me apetecia escrever, mas enfim...

É claro q eu vos desejo - AB,Elypse, Cris e a todos os q aqui continuam a passar - uma época festiva o mais agradável possível, como vos desejo sempre tudo de bom o ano inteiro, tal como o desejo para mim, mas...isso já vc.s sabem, não???...preciso dizer/postar??? ...ficam mais felizes se eu o fizer e menos se o ñ fizer???

amok_she disse...

«Anónimo AB disse...

Vejo que na forma binária que serve de base ao sistema reflexivo, fatalmente, duas, e só duas hipóteses, se podem afrontar:
desejar "um bom natal" ou "abrir fogo" sobre o primeiro que passa. (...)»


Irra,Alberto...ainda queres ser mais radical q eu??? Ou os votos de blá, blá, blá, ou...tiro neles????, porra, ñ fazes a coisa por menos???:=>