28/06/07

Haja pachorra para tanta alarvidade...

Da Literatura: SACCO & VANZETTI :(...)Mas quem é que hoje trabalha só oito horas por dia?(...)


Pois...realmente, quem????? Depois queixam-se, os profs, que os pais não querem saber dos filhos (a tradução deles para os pais que se 'esmifram' a trabalhar!); e os moralistas que o casamento está em crise e há muitos divórcios e que as gajas não querem é ter filhos por isso votam pela despenalização do aborto! Depois venham cá explicar-me como é que, a trabalhar-se dez e mais horas por dia, se tem tempo - útil e de qualidade! - para a família?!?

E há ainda os ignorantes da realidade dos que trabalham - mesmo! - essas dez e mais horas por dia sem terem empregadas em casa para tapar os buracos...é que, mesmo assim, já se ganha a dobrar aos domingos, quando estes são trabalhados...só que o dinheiro não educa filhos, nem lhes dá carinho, nem respostas quando eles precisam, nem os acompanha no crescimento duma forma saudável...mas os senhores da modernização selvagem é que sabem, pois então!

Se ser-se avançado é viver numa sociedade desumanizada, impessoal e sem direito a escolher-se o modo de vida que se sonha - ter uma família e poder sustentá-la dignamente e poder educar os filhos e poder namorar e poder gozar os prazeres da vida, etc.,etc. - sem que, para isso, tenha de nos sair o totomilhões, ou herdar da tia rica, ou assaltar um banco, ou entrar no mercado do narcotráfico das altas esferas...então eu preferia ficar atrasada!, se me fosse dado o poder da escolha, claro!, porque como não estou dentro de nenhuma destas hipóteses listadas e sou obrigada a receber um vencimento mensal, fatal com'ó destino será dizer que lá terei de ir pró rol dos 'avançados', para continuar a encher o bandulho dos jogadores da bolsa...

2 comentários:

Andreu Vallès disse...

O giro é que nem sou ignorante dessa realidade, mas tá bem :)

Ninguém diz que se deve trabalhar oito dias por semana, dez horas por dia. Aliás, mais do que trabalhar mais horas, é preciso é trabalhar melhor. Mas com os níveis de produtividade portugueses, os salários baixos daí decorrentes, os preços das casas, acaba tudo para ir viver a quilómetros de casa, passando horas no trânsito, longe da família, cheios de stress, etc., etc.

Só por se dizer que o melhor é "flexibilizar" um pouco as leis mais restritivas que por aí andam em termos de flexibilidade (com muito bons resultados...), não quer dizer que queiramos voltar a impor a escravatura, antes pelo contrário.

Quanto a trabalhar ao domingo, o facto é que muitos trabalhadores preferiam trabalhar ao domingo e descansar noutro dia, sendo essa escolha feita entre eles e os empregadores. Assim, ninguém pode escolher nada: é como diz a lei e pronto, mesmo que seja pior para todos.

Mas sei que estes assuntos são muito difíceis. Flexibilizar soa sempre mal, parece sempre que queremos que se trabalhe mais. Não: quero, sinceramente, que se viva melhor. As nossas leis só nos permitem manter uma vida apertada em regras, improdutiva, com um país enterrado nos subúrbios.

Andreu Vallès disse...
Este comentário foi removido pelo autor.