04/11/05

Dizia eu, há pouco tempo...

...que um dia a casa vinha abaixo!
...pensei que demorasse mais tempo! Pensei, até, que nem chegasse a ver tal hecatombe, mas...eu sei!, ainda sou uma ingénua!:-(


Várias detenções têm resultado dos confrontos entre os jovens revoltosos e a polícia.


«Balanço assustador

Mas os balanços que se sucedem dia após dia, durante os últimos sete dias, dizem algo mais só até à meia-noite de quarta-feira, 280 viaturas foram incendiadas em França, 180 das quais nos arredores de Paris.

Em Aulnay-sous-Bois, duas salas de uma escola primária foram anteontem à noite incendiadas, cocktails molotov foram atirados contra um concessionário da Renault. Pelo menos quatro tiros foram disparados, segundo as autoridades, contra a CRS , um corpo de elite antimotim. Cerca de 100 bombeiros foram chamados a apagar vários fogos sob protecção policial

Três jornalistas do canal de televisão France 2 ainda tentaram fugir, mas a viatura que os transportava foi enviada de encontro a uma agência bancária local e incendiada.

Numa comunidade limítrofe de Aulnay-sous-Bois, em Blanc-Mesnil, ardeu um ginásio. Em Antony, Hauts-de-Seine, cocktails molotov foram lançados contra um comissariado da Polícia, e um outro posto da Polícia que se encontra fechado à noite, em Cité 3000, um bairro "sensível", foi invadido e saqueado. O tribunal de Bobigny já condenou, na quarta-feira à tarde, dois dos seis jovens detidos na segunda-feira, em Clichy-sous-Bois.», in JN

***...***...***
(Magritte)/"Quando abarcarmos esses mundos e o conhecimento e o prazer que encerram, estaremos finalmente fartos e satisfeitos?",WW

7 comentários:

Lia C disse...

Nestas coisas acho que somos todos ingénuos, Amok... funciona mais ou menos como as imagens de choque: mesmo sabendo que pode acontecer e que estão reunidas condições para tal, a coisa é tão pavorosa que preferimos tomá-la por absurda - e o absurdo não acontece... consolamo-nos nós, ingenuamente.

Beijo

Maite disse...

Permita-me discordar LiaC, o absurdo acontece. Está perante os nossos olhos insistentemente e inapelavelmente. Cada vez mais "agarra-se" freneticamente a nós com se de uma segunda pele se tratasse.
Os acontecimentos em França são uma inevitabilidade. Ou os franceses (ou outro país dito civilizado) pensam que podem usar e abusar e deitar fora. Talvez o mais díficil seja mesmo o deitar fora.

Bom dia :)

amok_she disse...

Acho q a Lia concordava, exactamente, com a existência - real! - do absurdo e nós, na nossa necessidade de salvaguardar alguma da sanidade mental de q necessitamos ...acrecitamos (ou esforçamo-nos por acreditar) com alguma ingenuidade...q ñ existe, ou q ñ é possível assim tanto!...acho q era isto...

...lamentável q se pense q se pode, eternamente, usar e abusar dos mais fracos e depois qd já ñ são precisos...descartá-los!...tal como é absurdo imaginar, sequer, q o "condomínio privado" em q se desejaria/quereria transformar a tal "comunidade" europeia, construindo "muros" protectores, será algum dia possível...

...qd os "burgueses" - e estes "burgueses" já pouco têm da burguesia inicial, são mt mais ferozes/vorazes! - perceberem q o mundo ñ será nunca só(!) dos poderosos e q um dia "a casa vem abaixo!"...acho q já será tarde...pelo menos para a democracia...mais ainda para a liberdade!

Anónimo disse...

Enquanto não houver pão para todos sem excepção, e em quantidade e qualidade digna de um ser humano, não haverá democracia no verdadeiro sentido da palavra.Quanto à liberdade, será sempre uma conquista pessoal e quotidiana, contudo,essa conquista desmorona-se quando cede à violência irracional, mesmo, quando parece que essa violência é forma cabal de conquistar essa liberdade.

Bom dia

Lobo das Estepes

Lia C disse...

Sim, era exactamente isso que queria dizer: o absurdo acontece, de facto... e nós, por vezes, até conseguimos antevê-lo ... mas tentamos fugir à angústia de toda a forma que podemos (e uma delas é convencermo-nos de que o absurdo não acontece).

E sim, Amok... tudo isso é lamentável e revoltante. E o que mais me assuta sempre é ver o mal que tão poucos podem fazer a tantos.

bj

amok_she disse...

Lobo, repara...

...a violência irracional raramente é despoletada por desejos de liberdade...é-o mais qd o ser humano chega ao limite...do humano!, qd para lá da liberdade tb está despojado de toda a capacidade de sobrevivência com dignidade...é qd o desespero lhe retira toda a capacidade de raciocinar...

...já a violência racionalmente executada é outra estória...e essa é executada pelos senhores do poder...económico!...da guerra...do desumano!

...sejamos menos complacentes com estes q com os outros...

amok_she disse...

«(...)E o que mais me assuta sempre é ver o mal que tão poucos podem fazer a tantos.»


o grande problema é mesmo este, lia ...isto é q gera as violências... racionais!... e consequentes reacções ...irracionais!